Apresentação

    Em dezembro de 2003 foi realizado em Presidente Prudente -SP o I Simpósio Nacional de Geografia da Saúde. Nesse primeiro encontro participaram cerca de 200 profissionais de todo o Brasil e alguns países da América Latina. Desde então oito outros simpósios foram realizados: em 2005 no Rio de Janeiro - RJ; 2007 na cidade de Curitiba - PR, 2009 em Uberlândia - MG, 2011 em Recife - PE, 2013 em São Luis - MA, 2015 em Brasília - DF, 2017 em Dourados - MS e em 2019 em Blumenau -   SC, com uma média de 250 participantes e a apresentação de 120 trabalhos. Desde a primeira edição o evento conta com significativa participação de pesquisadores estrangeiros, especialmente da Argentina, de Cuba, do México, de Portugal, da França, mais recentemente, do Canadá, da Austrália e de países da África.

    A partir de sua terceira edição o evento passou a ocorrer concomitantemente com o Fórum Internacional de Geografia da Saúde, o que ampliou e propiciou a participação de pesquisadores de outros países e continentes. Assim, dada sua abrangência e discussão temática, este simpósio e fórum bianual, denominado de Geosaúde, são reconhecidos por toda comunidade científica nacional e internacional, como é o caso da Comissão de Saúde e Ambiente da União Geográfica Internacional.

     Esses eventos se consolidaram, pois, ao longo das últimas duas décadas, observou-se a retomada do interesse pelo espaço geográfico na área da saúde, tanto como categoria de análise da distribuição espacial de agravos à saúde, quanto para o aperfeiçoamento dos sistemas de saúde. Este movimento tem como bases a renovação da Epidemiologia, que busca caracterizar os determinantes sociais e ambientais dos problemas de sáude; a preocupação com o desenvolvimento da promoção da saúde, compreendendo o território como estratégia de ação; e a necessidade de regionalizar os serviços e ações de saúde, entre outros fatores ligados à história recente da Saúde Coletiva.

     Por outro lado, a Geografia da Saúde, desde a sua origem, tem sido calcada na evidência dos problemas, permitindo a identificação de lugares e situações de risco, apoiando o planejamento territorial de ações de saúde e o desenvolvimento das atividades de prevenção e promoção de saúde para a promoção de políticas de saúde com maior eficácia. Um dos compromissos primordiais da Geografia da Saúde no Brasil é contribuir para a consolidação do SUS, diminuição das iniquidades em saúde e a redução das desigualdades sociais.

     A pandemia da Covid-19 (declarada como tal em 11 de março de 2020) fez surgir um momento diferenciado para parte do grupo que participa com mais frequência desse evento, pois com a criação de um grupo denominado "Força Tarefa de Geógrafos da Saúde" esse diálogo passou a ser mais frequente e o aprofundamento das questões da Geografia e da Saúde direcionaram naturalmente ao tema do X Simpósio Nacional de Geografia da Saúde: "Dimensões geográficas dos impactos e desafios das pandemias", a ser realizado entre 18 e 22 de outubro de 2021 tendo por base das reflexões sobre as consequências da pandemia da Covid-19 que estão refletidas de algum modo no espaço geográfico, bem como futuras pandemias que possam impactar a vida das pessoas.

      Ao contrário das edições anteriores, o X Geosaúde trará um elemento inovador devido as circunstâncias: será realizado remotamente e tem como principal objetivo analisar as consequências socioespaciais decorrentes da difusão da Covid-19.